Header Ads

Resistência Apologética

Fatos sobre o cânon do Novo Testamento que todo cristão deve saber



Sobre o cânon do Novo Testamento devemos conhecer alguns fatos interessantes.


O primeiro desses fatos, trata-se de que... 

  • Os livros do Novo Testamento são os primeiros escritos cristãos que possuímos.

Um dos maiores desafios em qualquer discussão sobre cânon do Novo Testamento é a explicação do por quê o Novo testamento contém apenas 27 livros. Por que estes e não outros? Há muitas respostas para essa pergunta, mas devemos nos concentrar em uma bastante relevante: a data desses livros. 
Estes livros se destacam como distintivos, porque eles são os primeiros escritos cristãos que possuímos e, assim, nos traz o mais próximo de informações do Jesus histórico e para a mais antiga igreja. Se quisermos descobrir o que o cristianismo autêntico foi realmente, então devemos confiar nos escritos que são o mais próximo a esse período de tempo.
Isto é particularmente evidente quando se trata dos quatro evangelhos, Mateus, Marcos, Lucas e João. Estes são os únicos relatos evangélicos que derivam do primeiro século. Claro, existem alguns estudiosos que tentaram colocar o Evangelho de Tomé , no primeiro século, mas isso não tem se reunido com muito sucesso. Depois de toda a poeira acadêmica assentar, até mesmo os críticos concordam que esses quatro são os primeiros relatos de Jesus que possuímos.
Agora, algumas qualificações estão em ordem. Em primeiro lugar, deve-se notar que há divergências sobre a datação de alguns livros do Novo Testamento. Alguns estudiosos críticos argumentaram que alguns livros do Novo Testamento são falsificações escritas no século II. Enquanto isso, outros estudiosos têm defendido a autenticidade (e data do primeiro século) desses livros. Este é um debate que não podemos aprofundar aqui. No entanto, mesmo se esses livros debatidos são deixadas de lado em nossas discussões, podemos ainda afirmar que a grande maioria dos escritos do Novo Testamento (incluindo os quatro evangelhos) continuam a ser os primeiros escritos cristãos que possuímos.
Em segundo lugar, alguns podem apontar que a primeira carta de Clemente de Roma é um escrito cristão que data do primeiro século, e que não está incluído no cânon do Novo Testamento. É verdade, mas a data de consenso para I Clemente é o ano 96 d.C. Esta data é posterior a todos os nossos livros do Novo Testamento. A única exceção possível é Apocalipse, que é datado, o mais tardar, em torno de 95-96 d.C. Mesmo assim, isso não afeta o ponto de marco que estamos fazendo aqui.
Só para ficar claro, não estamos discutindo aqui que os livros são canônicos simplesmente porque eles são do primeiro século. Outros escritos cristãos existem no primeiro século que não eram canônicos, e talvez iremos descobrir alguns deles no futuro. Nossa questão não é que todos os livros do primeiro século são canônicos, mas que todos os nossos livros canônicos são do primeiro século. Ou seja, a datação desses livros não os torna canônicos, apenas mostra que estes livros foram escritos durante um período de tempo em que testemunhas oculares de Jesus ainda estavam vivas.

Portanto, cada cristão deve se lembrar desse fato básico, que os livros do Novo Testamento são distintos, porque, em geral, eles são os primeiros escritos cristãos que possuímos. E são precisamente os livros que incluiríamos em em uma lista canônica, se quiséssemos ter acesso ao cristianismo autêntico. independentemente de uma escolha arbitrária como alguns querem fazer crer.

  • Apócrifos do Novo Testamento



O segundo fato sobre o NT, trata-se dos livros apócrifos atribuíveis a sua época posterior.  Estes são escritos que não foram incluídos no Novo Testamento, mas têm um gênero similar (Evangelhos, Atos, cartas, apocalipses, etc.). E esses escritos são frequentemente atribuídos a pessoas famosas; por exemplo, o Evangelho de Pedro , o Evangelho de Tomé , os Atos de João. 

Tais escritos foram produzidos a partir do segundo século até ao quarto século. Isso já explica porque muitos deles, senão a maioria, não estão incluídos em nosso cânon do Novo Testamento.

Muitos desses escritos apócrifos são falsificações definitivas, fingindo ser escrito por alguém que claramente não era o autor. Esse fato por si só levanta sérias questões sobre a confiabilidade de seu conteúdo. Em segundo lugar, muitos desses escritos apócrifos contem enfeites óbvios e acréscimos lendários. Por exemplo, no Evangelho de Pedro , Jesus sai da tumba como um gigante cuja cabeça alcança as nuvens, e ele é seguido pela própria cruz que fala(!). E em terceiro lugar, muitos desses escritos apócrifos contem uma teologia de estilo gnóstica que surgiu no segundo século, e, portanto, não poderia representar o autêntico cristianismo do primeiro século (por exemplo, Evangelho de Filipe).
Para ser claro, isso não sugere que é impossível, em princípio, para um escrito apócrifo ser do primeiro século (só que nós não encontramos um ainda). Isto também não sugere que escritos apócrifos não poderiam conter alguma tradição sobre Jesus que seja confiável. Sabemos que os primeiros cristãos, por vezes, apelaram aos evangelhos apócrifos como contendo algum material verdadeiro. Mas, este é o ponto-chave deste fato, a literatura apócrifa que pode ser confiável, não apresenta uma versão do cristianismo que esteja fora de sincronia com o que encontramos em livros do Novo Testamento, e certamente não estão em condições de substituir o que encontramos em livros do Novo Testamento.
Portanto, escritos apócrifos constituem uma fonte interessante e fascinante para o estudo do cristianismo primitivo. Mas, em grande parte devido à sua data tardia, eles não oferecem uma versão mais convincente do cristianismo do que os próprios escritos do Novo Testamento.

  • Os livros do Novo Testamento são ÚNICOS PORQUE SÃO APOSTÓLICOS

Um dos mais fatos básicos sobre o cânon do Novo Testamento que todos os cristãos devem entender é que o cânon está intimamente ligado às atividades dos apóstolos.
Jesus havia escolhido seus apóstolos "para que estivessem com ele e ele pudesse enviá-los a pregar, com poder" ( Marcos 3:14-15). Quando Jesus enviou os doze, ele lembra-lhes que "Porque não sois vós que falais, mas o Espírito de vosso Pai é que fala em vós"Mt 10:20 ). E Cristo ainda dá um aviso para aqueles que rejeitam a autoridade dos apóstolos: "Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras ... vai ser mais suportável no dia do juízo para a terra de Sodoma e Gomorra do que para essa cidade "Matt 10:14-15 ).
Em suma, os apóstolos tinham a própria autoridade do próprio Cristo. Eram seu porta-voz. Como tal, os seus ensinamentos, junto com os profetas, eram a própria fundação da igreja. Paulo descreve a igreja como "edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas"Ef 2,20 ). Se a igreja queria saber a verdadeira mensagem cristã, ela sempre precisaria olhar para trás se voltando ao ensinamento dos apóstolos.
Mas, os apóstolos não apenas ensinaram sobre Jesus por via oral. A mensagem apostólica muito cedo foi escrita. Muitas vezes, escrita pelos próprios apóstolos. Em outros pontos, foi escrita por companheiros de apóstolos que estavam gravando sua mensagem. De qualquer forma, a mensagem apostólica autoritária encontrou seu caminho para livros.
Por razões óbvias, a igreja reconheceria o valor dos livros apostólicos para além de outro tipo de livro. E é exatamente isso o que aconteceu. Os livros que a igreja considerou como os livros que foram lidos, copiados e usados ​​com mais frequência na  igreja cristã primitiva por serem escritos de autoridade apostólica,  estes são os livros que eventualmente se tornaram o cânon do Novo Testamento. Portanto o cânon é o subproduto do ministério dos apóstolos.
Na verdade, a dependência explícita da Igreja quanto os escritos apostólicos é precisamente a razão de que vemos uma proliferação de livros "apócrifos", no segundo século (e mais tarde) que foram nomeados de escritos pós-apóstolos. Nós temos o Evangelho de Tomé, o Evangelho de Pedro, os Atos de João, e até mesmo o Evangelho dos DozeAo invés de levantar dúvidas sobre a natureza apostólica do Novo Testamento, esses escritos apócrifos, na verdade, servem para confirmá-la. Eles mostram que a igreja primitiva valorizava tanto os livros apostólicos que, falsários tinha que tentar imitar as genuínos escritos apostólicos, a fim de conseguir alguma audiência.
É claro que alguns estudiosos modernos questionam  a autoria apostólica de alguns dos livros do Novo Testamento, alegando que eles foram escritos por autores posteriores que fingem ser os apóstolos. No entanto, estas alegações não são de forma alguma comprovada, e muitos outros estudiosos já contestaram esse tipo de alegação. Além disso, não se deve esquecer que a igreja primitiva estava em uma posição melhor para apurar a autoria e origens destes livros do que estudiosos modernos dois mil anos depois.
Portanto, o cânon do Novo Testamento existe por causa de uma crença cristã de que os apóstolos falavam por Cristo. Essa crença levou os cristãos a valorizar os escritos apostólicos. E esses livros apostólicos eventualmente formaram o Novo Testamento que conhecemos hoje.

  • Alguns escritores do NT citam outros escritos do NT como escritura


Uma das questões mais controversas no estudo do cânon do Novo Testamento é a data em que estes livros foram considerados como Escritura. Quando estes livros foram utilizados pela primeira vez como um guia oficial para a igreja? Estudiosos críticos argumentam que esses livros não foram escritos para ser Escritura e nem sequer foram utilizados como Escritura até o fim do segundo século.
Mas um dos fatos mais básicos que os cristãos devem saber é que alguns escritores do Novo Testamento, na verdade, citam outros escritos do Novo Testamento como Escritura. Isso demonstra que o conceito de um novo corpus de livros bíblicos não era um desenvolvimento tardio, mas que parece estar presente nas fases iniciais do cristianismo.
O exemplo mais evidente desse fenômeno é 2 Pedro 3: 15-16 onde Pedro se refere às cartas de Paulo como "Escritura" em pé de igualdade com os livros do Antigo Testamento. 
"E tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada;Falando disto, como em todas as suas epístolas, entre as quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, e igualmente as outras Escrituras, para sua própria perdição."

Vale ressaltar que Pedro menciona várias cartas de Paulo, o que indica que ele estava ciente de algum tipo de coleção. E, mais importante ainda, ele assume estar ciente da importância desta coleção também. 
As implicações da declaração de Pedro não deve ser desperdiçada. Isso mostra que cartas apostólicas (neste exemplo de Paulo) já tinham um status escritural no início do cristianismo. Se assim for, então é difícil imaginar que Pedro não teria esperado que a sua própria carta fosse recebida com a mesma autoridade. Afinal de contas, apenas alguns versículos antes Pedro deixou claro que os ensinamentos dos apóstolos estavam a par com o próprio Antigo Testamento ( 2 Pedro 3: 2 ).
"lembreis das palavras que primeiramente foram ditas pelos santos profetas, e do nosso mandamento, como apóstolos do Senhor e Salvador."

Outro exemplo desse fenômeno é encontrado em 1 Tm 5:18 que diz:
Porque diz a Escritura: Não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário. 
Enquanto a primeira citação vem de Dt 25: 4 , esta última citação é uma correspondência exata de Lucas 10: 7. Ainda que se possa sugerir que Paulo está citando a tradição oral de Jesus, essa opção está excluída pelo fato de que ele introduz o ditado com "a Escritura diz."

Embora Paulo possa estar citando algum evangelho apócrifo desconhecido (que só acontece de ter a mesma formulação exata de Lucas 10: 7 ), por que devemos preferir uma fonte hipotética desconhecido ao invés de uma fonte conhecida? Sabemos que Lucas realmente foi utilizado como Escritura na Igreja primitiva, porém o mesmo não pode ser dito do evangelho apócrifo hipotético.

Ainda que alguns estudiosos argumentem que esses livros são falsificações se passando por escritos apostólicos, tendo uma data tardia, provavelmente, por volta da virada do século (c.100), contudo não podemos negligenciar, que ainda assim colocam a data do cânone em um momento extremamente precoce. Pois se os escritores do NT foram citando outros escritores do Novo Testamento como Escritura, então isso sugere que o cânon não foi um desenvolvimento eclesiástico tardio e posterior, mas sim algo cedo e inato para a fé cristã. E isso é um fato básico de que todos os cristãos devem saber.


  • Os quatro evangelhos estão bem estabelecidos  até o fim do segundo século.


Quando tratamos de fatos básicos sobre o cânon do NT que os cristãos devem saber, um dos mais críticos é a declaração de Irineu bispo de Lyon, por volta do ano 180: "Não é possível que os evangelhos sejam mais ou menos do que o número que eles são. Pois, uma vez que existem quatro zonas do mundo em que vivemos e quatro ventos principais ... [e] os querubins que são quatro, também, com quatro faces. "[Contra as Heresias, Livro 3, capitulo 11, verso 8]

Aqui Irineu não só afirma a canonicidade dos quatro evangelhos, mas faz questão de salientar que apenas esses quatro evangelhos são reconhecidos pela Igreja. Na verdade, Irineu é tão certo que o cânon dos evangelhos está fechado que ele argumenta que estar enraizado na própria estrutura de criação, quatro zonas do mundo, quatro ventos principais, os quatro querubins e seus quatro rostos etc.

Em um esforço para minimizar as implicações da declaração de Irineu, alguns estudiosos têm sugerido que apenas Irineu mantém este ponto de vista. Ele é, portanto, retratado como solitário, isolado, um inovador que está a tentar invadir território novo e desconhecido. Toda essa ideia de um evangelho de quatro aspectos, nos é dito, foi inventado por Irineu.

Mas, será que essa abordagem de Irineu ser uma inovador e portanto de uma opinião isolada, se encaixa nos fatos? Veremos que não. Há várias considerações a respeito:
1. O proprio Ireneu. Quando Irineu fala sobre o evangelho em quatro partes em seus escritos, ele não dá nenhuma indicação de que ele está apresentando uma nova ideia, ou que ele está pedindo o leitor a considerar um novo conceito. Pelo contrário, ele fala de uma maneira que pressupõe que o leitor conhece e segue esses mesmos evangelhos. Ele fala de forma natural e sem pedir desculpas. Em suma, Irineu não escreve como uma pessoa que defende o status das escrituras desses livros pela primeira vez.
2. Contemporâneos de Irineu . A ideia de que Irineu estava sozinho em sua aceitação aos quatro evangelhos como únicos, é refutada com uma simples observação, de que havia outros escritores no final do segundo século que afirma esses mesmos quatro evangelhos como exclusivos. O fragmento de Muratori, Clemente de Alexandria, e Teófilo de Antioquia são exemplos. Evidentemente portanto, Irineu não foi o único a nos informar de que a igreja tinha apenas quatro evangelhos.
Além disso, deve-se considerar Taciano em Diatessaron - a harmonia dos quatro evangelhos - escrito por volta de 170 d.C. Diatessaron não só nos diz que esses quatro evangelhos foram conhecidos e utilizados, mas nos diz que eles foram vistos como autoridade suficiente para justificar a harmonização entre eles. Afinal, por que alguém iria se incomodar em harmonizar livros que não tivessem autoridade? Se não fossem autoridade, então não importa se contradizerem.
3. Predecessores de Irineu. Embora a evidência antes de Irineu é menos clara, ainda podemos ver um compromisso com o evangelho de quatro partes. Por exemplo, Justino Mártir, escrevendo em 150 d.C, refere-se ao plural "evangelhos" [ I Apologia 66.3.] e em um ponto fornece uma indicação de quantos eram os evangelhos quando ele descreve esses evangelhos como "elaborados pelos seus apóstolos e aqueles que seguiram eles " [Dialogo com Trifão103]. Uma vez que esse tipo de linguagem indica (pelo menos) dois evangelhos escritos pelos apóstolos, e (pelo menos) dois escritos por companheiros apostólicos, é mais naturalmente entendida como uma referência para os nossos quatro evangelhos canônicos. [G. Stanton, "O quádruplo Evangelho", NTS 43 (1997): 317-346.]
Isso é confirmado pelo fato de que Justino faz citações dos Evangelhos sinópticos provavelmente derivadas de evangelhos escritos [Dialogo com Trifão 100,1; 103,8; 106,3-4] e até parece citar o evangelho de João diretamente, "Porque também Cristo disse:"Se não vos nascer de novo, vocês não entrarão no reino dos céu"(. João 3: 3 ). [ I Apol61.4.]O fato de que Justino era o mentor de Taciano (que produziu uma harmonia dos quatro evangelhos), nos mostra uma outra razão para pensar que ele tinha um evangelho quádruplo. 
Portanto, há amplas razões para rejeitar a ideia de que Irineu foi o inventor do evangelho quádruplo no cânon do NT. Não apenas seus contemporâneos têm essa mesma visão que ele, mas esta visão foi compartilhada por outros mesmo antes dele. Assim, devemos considerar a possibilidade de que Irineu estava realmente dizendo a verdade quando diz que o evangelho quádruplo foi algo que foi "transmitido" [Contra as Heresias, livro 3, cap 1, verso 1.] para ele.

  • O Fragmento Muratoriano


Ao fim do segundo século, o fragmento muratoriano ou Cânon de Muratori, lista 22 dos 27 livros que temos hoje no NT.

Este fragmento, que recebeu o nome de seu descobridor Ludovico Antonio Muratori, contém a nossa mais antiga lista dos livros do Novo Testamento. Enquanto o próprio fragmento foi encontrado no sétimo ou oitavo século, a lista foi escrita originalmente em grego e remonta ao final do século II por volta de 180 d.C.

Alguns argumentaram que a lista é do século IV (por exemplo, Sundberg e Hahneman), mas o consenso dos estudiosos de hoje coloca a lista no segundo século. Joseph Verheyden resume o debate moderno: "Nenhum dos argumentos apresentados por Sundberg e Hahneman em favor da origem oriental do fragmento no século IV são convincentes."[Verheyden, "Canon Muratori," 556.]

O que é digno de nota para os nossos propósitos aqui é que o fragmento de Muratori afirma 22 dos 27 livros do Novo Testamento. Estes incluem os quatro Evangelhos, Atos, todos as 13 epístolas de Paulo, Judas, 1 João, 2 João (e possivelmente 3 João) e Apocalipse. Isso significa que em um ponto extremamente precoce (final do segundo século), o núcleo central do cânon do Novo Testamento foi já estabelecido e fixado.

Naturalmente, deve-se reconhecer que o Cânon Muratoriano também parece afirmar o Apocalipse de Pedro. No entanto, o autor do fragmento imediatamente expressa que alguns têm hesitações sobre este livro. Essas hesitações nos mostram que o Apocalipse de Pedro nunca foi amplamente afirmado pela igreja primitiva, e nunca ganhou um ponto final no cânon.

O fato de que houve algum desentendimento durante este período de tempo sobre alguns dos livros "periféricos" não deveria nos surpreender. Demorou algum tempo para que a questão do cânon fosse liquidada. Esta discordância ocasional, porém, não deve impedir-nos de observar a unidade maior e mais ampla que os primeiros Cristãos comumente tinham quanto aos livros corretos que hoje fazem parte do Novo Testamento.

Se houvesse um núcleo canônico de um período de tempo mais anterior, então há duas implicações importantes que podemos tirar disso. Em primeiro lugar, isso significa que a maioria dos debates e discordâncias sobre livros canônicos no início do cristianismo só dizia respeito a um punhado de livros como III João, Tiago, II Pedro e assim por diante. Os cristãos não tinham uma farta literatura no primeiro século e por isso não tinham muito o que discutir sobre tais livros posteriormente.

Em segundo lugar, se havia uma coleção nuclear de livros do Novo Testamento ou não, a trajetória teológica do cristianismo primitivo já havia sido determinada antes que os debates sobre os livros periféricos fossem resolvidos. Assim, independentemente do resultado da discussão sobre livros como II Pedro ou Tiago, doutrinas centrais do cristianismo acerca da pessoa de Cristo, a obra de Cristo, os meios de salvação, etc., em vigor já estavam estabelecidas. A aceitação ou rejeição de livros como II Pedro não iria mudar esse fato.

Assim, o fragmento de Muratori está como um lembrete de dois fatos importantes. Primeiro, cristãos discordaram sobre quais livros seriam ou não canônicos de vez em quando. Essa foi uma inevitabilidade, particularmente nas fases iniciais. Mas esta lista também nos lembra de um segundo (e mais fundamental) fato, ou seja, que já havia consenso generalizado sobre o conteúdo do cânon já no segundo século.


  • Os primeiros cristãos não usavam apenas escritos canônicos.


Escritores cristãos frequentemente faziam suas citações se utilizando de escritos não-canônicos. Em outras palavras, os primeiros cristãos não usavam apenas livros do nosso atual Novo Testamento, mas também liam e usavam livros como o Pastor de Hermas, o Evangelho de Pedro, e a Epístola de Barnabé.
Quando os estudiosos mencionam o uso cristão de escritos não-canônicos, dois fatos são muitas vezes deixados de fora:

1. A forma de citação. É importante notar que enquanto os cristãos muitas vezes citam e usam literatura não-canônica, eles raramente os citam como Escritura. Para a maior parte dos cristãos tais livros eram simplesmente usados como úteis, iluminantes, ou edificantes escritos. Isto não é assim tão diferente do que as práticas em nossos dias modernos. Um pregador pode citar C. S. Lewis em um sermão, mas isso não significa que ele coloca a autoridade de Lewis a par com a própria Escritura.

Um bom exemplo desse fenômeno é o uso do Evangelho de Pedro pela igreja em Rhossus no final do segundo século. No entanto, não há nenhuma evidência que a igreja tenha usado esse livro como Escritura.

Quando fazemos a pergunta sobre quais livros cristãos são mais citados como Escritura, então a resposta é esmagadoramente a favor dos livros que, eventualmente, se tornaram em cânon do Novo Testamento.

2. Frequência de citação. Outro fator muitas vezes esquecido é o grau relativo de frequência entre as citações de livros canônicos e citações de livros não-canônicos do Novo Testamento. Por exemplo, os estudiosos muitas vezes apelam para Clemente de Alexandria como o exemplo padrão de um dos primeiros cristãos que costumava usar literatura não-canônica igualmente com a literatura canônica. Mas, quando se trata de freqüência de citação, isso está longe de ser verdade.

J.A. Brooks, por exemplo, observou que Clemente cita os livros canônicos "cerca de dezesseis vezes mais frequentemente do que os escritos apócrifos e patrísticos."[Brooks, "Clemente de Alexandria," 48].

Quando se trata de evangelhos, a evidência é ainda melhor. Clemente cita evangelhos apócrifos apenas 16 vezes, ao passo que, ele cita só o evangelho de Mateus, cerca de 757 vezes.[Bernard Mutschler, als Irenaus johanneischer Theologe (Tübingen: Mohr Siebeck, 2004), 101.]

Em suma, os cristãos precisam memorizar este fato simples sobre o cânon do Novo Testamento, que os primeiros cristãos utilizavam muitos outros livros, além daquelas que há em nossas Bíblias mas, isso não deveria nos surpreender. Porque, na verdade, nós ainda fazemos a mesma coisa hoje, embora tenhamos um Novo Testamento que foi finalizado há mais de 1600 anos.



  • O Cânon do NT não foi definido em Niceia




Por qualquer conjunto de razões, há uma crença generalizada em (internet, livros populares) que o cânon do Novo Testamento foi decidido no Conselho de Nicea em 325 d.C, sob a influência conspiratória de Constantino. O fato de que essa afirmação foi feita em um best-seller de Dan Brown O Código Da Vinci, mostra como generalizada é essa crença. Brown não a fez; ele simplesmente usou em seu livro.

O problema com esta crença, no entanto, é que ela é obviamente falsa. O Concílio de Nicéia não teve nada com a formação do cânon do Novo Testamento e muito menos Constantino. O Concílio de Niceia estava preocupado com a forma de como os cristãos devem articular as suas crenças sobre a divindade de Jesus. Assim, se deu o credo de Niceia.

Quando as pessoas descobrem que Nicéia não decidiu o cânon, a pergunta que se segue geralmente é: "Qual Concílio fez decidir o cânon?" Certamente que não poderia ter um cânon sem algum tipo de autoridade, ato oficial da igreja através da qual o cânon foi decidido. Certamente temos um cânon porque algum grupo de homens em algum lugar votou nele. Certo? Veremos...

Toda esta linha de raciocínio revela um pressuposto fundamental sobre o Cânon do Novo Testamento que precisa ser corrigido, ou seja, que era (ou tinha de ser) decidido por um conselho da igreja. O fato da questão é que, quando olhamos para a história da igreja primitiva não existe tal conselho. Claro, existem conselhos regionais da Igreja que fizeram declarações sobre o cânone (Laodicéia, Hipona, Cartago). Mas esses conselhos regionais apenas "escolheram" os livros que preferiam, e afirmaram os livros que eles acreditavam ter funcionado como documentos fundamentais para a fé cristã. Em outras palavras, esses conselhos foram declarar a forma como as coisas tinham sido, e não o que eles queriam que fosse.

Assim, esses conselhos não criaram, autorizaram ou determinaram o cânon. Eles simplesmente fizeram parte do processo de reconhecimento de um cânon que já estava lá.

Isto levanta um fato importante sobre o cânon do Novo Testamento que todo cristão deve saber. A forma do nosso cânon do Novo Testamento não foi determinado por um voto ou por um conselho, mas por um amplo e antigo consenso. Aqui podemos concordar com Bart Ehrman:

"O cânon do Novo Testamento foi ratificado por consenso generalizado em vez de proclamação oficial." [Lost Christianities, 231.]

Esta realidade histórica é um bom lembrete de que o cânon não é apenas uma construção feita pelo homem. Não foi o resultado de um jogo de poder intermediado por ricas elites culturais em alguma assembléia a portas fechadas. Foi o resultado de muitos anos do povo de Deus lendo, utilizando-se, e correspondendo a esses livros.
O mesmo é verdade para o cânon do Antigo Testamento. Jesus se utiliza e cita escritos do Antigo Testamento sem qualquer incerteza sobre quais livros pertenciam ao cânon. Na verdade, ele faz tais citações diretamente para o público responsável por conhecer esses livros. Mas, em tudo isso, não houve conselho da igreja do Antigo Testamento que escolheu oficialmente tais livros (nem mesmo Jâmnia). O cânon do VT também foi o resultado de antigo e generalizado consenso.

Portanto, nós certamente podemos reconhecer que a igreja desempenhou sua contribuição no processo canônico. Mas, o cânon não é atribuído a ela como autora, pois a igreja não determinou o cânon, os cristãos antigos responderam ao cânon e o reconheceram devido a autoridade apostólica de tais escritos que os precede. Nesse sentido, podemos dizer que o cânon realmente escolheu a si mesmo, reclamando a si autoridade de escritura inspirada.

  • Houve discordâncias sobre a canonicidade de alguns livros do NT.



O desenvolvimento do cânon não foi um processo livre de problemas onde todos concordaram em tudo desde o início. Pelo contrário, a história do cânon é, em alguns pontos, bastante tumultuada. Alguns cristãos receberam livros que mais tarde foram rejeitados e considerados apócrifos (isto foi discutido acima). Mais do que isso, houve desacordo às vezes até sobre mais de alguns livros canônicos.

Por exemplo, Orígenes menciona que livros como a Segunda Carta de Pedro, Segunda e Terceira de João e Tiago, foram postos em dúvida e contestadas por alguns em seus dias. Além disso, Dionísio de Alexandria nos diz que alguns pensaram que o Apocalipse não foi escrito pelo apóstolo João e deveria portanto, ser rejeitado.

É importante ser lembrado de tais disputas e debates sobre o cânon para que não concebam a história de que ele foi aceito de uma forma excessivamente clara e harmoniosa. O cânon não foi dado a nós em tábuas de ouro por um anjo do céu (como reivindicado para o Livro de Mórmon ). Deus, por suas próprias razões providenciais, optou por entregar o cânon por circunstâncias históricas normais. E circunstâncias históricas nem sempre são brandas.

O que é lamentável, no entanto, é que esses desacordos entre os cristãos são por vezes usados ​​como um argumento contra a validade do canon de 27 livros que conhecemos hoje. Contudo, em primeiro lugar, não devemos esquecer o fato de que essas disputas só afetam alguns livros. Os críticos costumam apresentar a história do cânon como se cada livro fosse igualmente posto em disputa. Isso simplesmente não é o caso . Como vimos em acima sobre o cânon muratoriano, a grande maioria desses livros estavam fixados até o final do segundo século.

Em segundo lugar, não devemos superestimar a extensão dessas disputas. Orígenes, por exemplo, simplesmente nos diz que esses livros foram contestados por alguns . Mas, no caso de 2 Pedro, Orígenes é bastante claro que ele próprio aceita. Assim, não há razões para pensar que a maioria dos cristãos durante este período de tempo rejeitou estes livros. Pelo contrário, parece que pais da igreja como Orígenes foram simplesmente reconhecendo o relatório da minoria. Eusébio também cita o mesmo em relação ao livro de Apocalipse em História Eclesiástica, no entanto ele faz a mesma observação de Orígenes de que alguns o contestavam, porém ele mesmo e a maioria o reconheciam como tendo sido escrito por João.

Em terceiro lugar, devemos também lembrar que a igreja finalmente chegou a um amplo, profundo e duradouro consenso sobre esses livros do que alguma disputa. Depois que a poeira baixou em todas essas discussões canônicas, a igreja foi bastante unificada em relação a estes escritos. Claro, os críticos sugerem que este é um fato irrelevante e sem peso algum. Para eles, a questão decisiva é que os cristãos discordavam. Mas, por que deveríamos pensar que os desacordos entre os cristãos são significativos, enquanto que a unidade entre os cristãos é insignificante? A unidade concordante tem mais consideração que as discordâncias já que tais divergências quanto ao cânon não duraram muito tempo em comparação com o consenso geral da maioria.

Mas, devemos reconhecer que ainda há uma questão mais profunda em jogo para aqueles que pensam que os desacordos entre os cristãos invalida a verdade do cânon. Existe a suposição crítica de, que se Deus fosse dar a sua igreja um cânon, deveria haver um acordo universal praticamente imediato quanto a todos os 27 livros. Mas, na verdade, por um lado, como é que o crítico sabe como Deus daria esses livros canônicos?

Esta é uma reivindicação teológica sobre como Deus trabalha e o que ele faria ou não faria. Mas, como é que o crítico sabe o que Deus iria ou não fazer? Para que fonte ele recorreria para sustentar tal objeção? Certamente, não o Novo Testamento que é a verdadeira fonte de sua critica! Para além disto, temos boas razões para entender que divergências entre os cristãos seria inevitável. Só a realidade prática de dar livros em tempo real e no espaço, em circunstâncias históricas reais, espalhados por diferentes autores, em diferentes continentes, e em momentos diferentes, seria naturalmente algo que gerasse controvérsia em alguns lugares.

Sempre que alguém fizer ansiosamente objeções sobre esses desacordos canônicos, uma pergunta simples resolve a questão... "Como deveria ser o processo?". É neste momento, que muitas vezes as pessoas percebem que têm uma expectativa excessivamente ignorante sobre como Deus entregou seus livros e tal expectativa é inteiramente sem suporte da Escritura ou da história.

Tudo isso nos lembra que Deus às vezes usa processos históricos naturais para realizar seus fins. E esses processos históricos não são sempre imediatos e coincidentes. Mas, isso não deve diminuir a realidade de que os fins são ainda os de Deus, segundo os meios que ele providenciou. Para além disso, onde está que Deus é obrigado a seguir nossas normas convenientes de sabedoria segunda nossa própria perspectiva?


  • Os livros do NT reclamam a si mesmos autenticidade canônica.


Como sabemos que os livros são inspirados por Deus, e quais não são? Há muitas respostas para essa pergunta, e algumas são encontradas acima. Certamente as origens apostólicas de um livro podem ajudar a identificá-lo como sendo de Deus. E, o consenso geral da Igreja sobre um livro pode ser parte de como identificar tal livro como sendo de Deus.

Mas, é interessante notar que os pais da igreja primitiva, embora concordem que apostolicidade e recepção da igreja são de fundamental importância, também apelam para um outro fator que muitas vezes é negligenciado em estudos modernos. Eles apelaram para as qualidades internas desses livros.

Em outras palavras, eles argumentaram que esses livros traziam certos atributos que os distinguiam como sendo de Deus. Eles argumentaram que eles puderam ouvir a voz do seu Senhor nestes livros específicos. Em linguagem teológica moderna, eles acreditavam que os livros canônicos são auto-autenticados. Como Jesus disse em João 10:27: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu as conheço, e elas me seguem."

Orígenes é bastante claro ao dizer que as qualidades divinas em um livro desempenham um papel na sua autenticação: "Se alguém pondera sobre os ditos proféticos ... é certo que no próprio ato de ler e estudá-los diligentemente, sua mente e sentimentos vão ser tocados por um divino sopro e ele vai reconhecer que as palavras que ele está lendo não são declarações de homem, mas a linguagem de Deus."[De principiis, Livro 4, capitulo 1 verso 6]

Noutro lugar, Orígenes diz coisas semelhantes. Ele defende a canonicidade do livro de Judas, porque "ele é preenchido com as palavras saudáveis ​​de graça celestial"[Comentário ao Evangelho de Mateus, capítulo 10, verso 17] e defende os evangelhos canônicos por causa de seus "conteúdos verdadeiramente veneráveis ​​e divinos."[Contra Celso 3.21]. Ele ainda defende a canonicidade do livro de Hebreus, alegando que "as idéias da epístola são magníficas."[citado por Eusébio, História Eclesiástica Livro 6, cap. 25, verso 12]

Taciano também é muito claro sobre o papel das qualidades internas desses livros: "Fui levado a colocar fé nessas [Escrituras] pelo aspecto modesto da língua, caráter inartificial dos escritores, a presciência exibida de eventos futuros, a excelente qualidade dos preceitos ".[Aos Gregos. 29]

Jerônimo defendeu a epístola de Filemon, alegando que é "um documento que tem em si muito da beleza do Evangelho", que é a "marca da sua inspiração" [Prólogo do Comentário em Filemom]
Crisóstomo declara que no evangelho de João, não há "nada de contrafacção", porque o evangelho é "dizer uma voz que é mais doce e mais rentável do que a de qualquer harpa ou qualquer música ... algo grande e sublime."[Homílias de João 1:2]

Antes de citar Matt 4:17 e Filipenses 4: 5 , Clemente de Alexandria diz que se pode distinguir as palavras de homens das palavras da Escritura, porque "ninguém será tão impressionado com as exortações de qualquer dos santos, como ele é pelas palavras do próprio Senhor." [Exortação aos gregos. 9]

Esses exemplos (e muito mais poderiam ser acrescentados) são suficientes para mostrar que os pais da igreja primitiva acreditavam que a evidência para a canonicidade dos livros podem ser encontrados nos próprios livros. Em outras palavras, os livros canônicos são auto-autenticados.

É claro que, neste momento alguém poderia objetar: "Se as qualidades internas desses livros realmente existem, então como é que se explica eles serem rejeitados por muitos? Por qual motivo, outros não veem essas qualidades?"

A resposta encontra-se no papel do Espírito Santo em ajudar as pessoas a ver o que objetivamente está lá. Devido aos efeitos noéticos do pecado ( Romanos 3: 10-18 ), não se pode reconhecer essas qualidades sem o testimonium spiritus sancti internum, o testemunho interno do Espírito Santo. Isso sem contar o fato de que muitos não percebem isso até que esta evidência lhes seja apresentada.

Escusado será dizer que o não-cristão vai achar essa explicação ser em grande parte descabida. "Não é um pouco suspeito", ele poderia objetar: "que os cristãos afirmam que eles são os únicos que podem ver a verdade desses livros e todos os outros estão cegos para isto?".

Essa objeção é compreensível. Mas, se as doutrinas cristãs sobre a queda, o pecado original, e a corrupção do coração humano são verdadeiras, então segue-se naturalmente que uma pessoa sem o Espírito Santo, não pode discernir a presença do Espírito (como falando em um livro).
Portanto, os pais da igreja nos ensinam uma verdade muito importante. O cânon do NT que possuímos hoje não é fruto de maquinações dos líderes da igreja, ou de influência política de Constantino, tais livros se impuseram sobre a igreja através de suas qualidades internas.

Ou, como Professor Arthur Darby Nock de Harvard costumava dizer sobre a formação do cânon:


"As estradas mais movimentadas da Europa são as melhores estradas; é por isso que eles viajam tanto por elas." [Metzger, Canon do Novo Testamento, 286].
......................

Nota: Este artigo foi traduzido, extraído e editado por Elisson Freire, acadêmico em História, a partir da série "Ten Basic Facts About the NT Canon that Every Christian Should Memorize" de Michael J. Kruger professor de Novo Testamento e cristianismo primitivo no Reformed Theological Seminary, em Charlotte, NC.


Para referência, segue link original da série.

2 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo,

    Já havia lido em inglês no blog do Michael J Kruger. Até pensei em traduzir, que bom que vocês já o fizeram.
    Você tem algum e-mail para contato?

    Fique na PAZ!

    ResponderExcluir
  2. resistenciaapologetica@gmail.com

    Email para contato.

    ResponderExcluir

Seja respeitoso e saiba que não aprovamos comentários de anônimos caso se trate de conteúdo inapropriado ao artigo, como ataques, deboches ou críticas irrelevantes e sem nada a acrescentar. Não publicaremos comentários que não tenham a ver com o tema do artigo. Se quiser fazer uma crítica ou sugestão, utilize a página de Contato.

- Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados então:

* É de sua inteira responsabilidade o que será escrito aqui.

* Não use o caps lock a menos que queira enfatizar alguma palavra. Textos em caps lock serão excluídos!

* Escreva sem xingamento, respeite o seu próximo. Comentários depreciativos e ofensivos serão deletados. Assim como os que fugirem ao escopo do artigo.

- Caso deseje contraditar algum de nossos artigos, certifique-se de o ter lido completamente e verifique se a sua objeção já não está respondida em outra postagem nesta página. Utilize a barra de pesquisa e o painel de temas.

- Comentários tumultuosos e que apenas repetem objeções já abordadas no artigo, serão ou deletados ou receberão uma dura resposta por sua desatenção.

Tecnologia do Blogger.