Header Ads

Resistência Apologética

Refutando a supremacia papal (parte I)



Assim como os protestantes, a Igreja Ortodoxa sempre se opôs a doutrina Católica Romana de supremacia papal, oferendo diversos argumentos que contraditam qualquer que seja a posição romana em defesa do papado, e isto muito antes dos clamores da reforma surgirem por volta do século 16.

Mas apesar de não negar que alguma forma de primazia poderia existir para o bispo de Roma, os cristãos ortodoxos argumentam que a tradição acerca do primado de Roma na Igreja primitiva jamais foi equivalente à doutrina atual de supremacia.


O Cardeal católico e teólogo Yves Congar em sua obra Diversidade e Comunhão faz uma observação bastante importante:

"O Oriente nunca aceitou a jurisdição regular de Roma, nem submeter-se a julgamento de bispos ocidentais. Seus apelos a Roma de ajuda não estavam relacionados com o reconhecimento do princípio da jurisdição romana, mas foram baseadas na visão de que Roma tinha a mesma verdade, o mesmo bom. O oriente ciosamente protegeu seu modo de vida autônomo. Roma interveio para garantir a observação das normas legais, para manter a ortodoxia da fé e para garantir a comunhão entre as duas partes da Igreja, Roma vem representar e personificar o Ocidente ... Em segundo sobre o "primado de honra" para Roma, o Oriente nega que essa primazia se baseie sobre a sucessão e a presença ainda viva do apóstolo Pedro. Um modus vivendi foi alcançado, que durou, embora com crises, até o meados do século XI. "
 [ Congar. Y., (1982) Diversidade e Comunhão (Mystic: Vigésima Terceira), pp 26-27 ]

Para os ortodoxos, o teste da catolicidade é a adesão à autoridade da Escritura e, em seguida, pela Santa Tradição da Igreja. A catolicidade não é definida pela adesão a qualquer sé particular. Esta é a posição da Igreja Ortodoxa que nunca aceitou o papa como de jure líder de toda a igreja. Todos os bispos são iguais como Pedro, portanto, cada igreja sob cada bispo (consagrado na sucessão apostólica) é totalmente completa(esse é o significado original da catolicidade para os ortodoxos).

Referindo-se a Inácio de Antioquia em sua Epístola aos Erminienses - Capítulo VIII.- Nada façais sem o bispo, C. Carlton diz:

"O termo católico não significa [simplesmente] "universal", o que significa é, "Inteiro, completo, sem nada faltar"... Assim, a confessar que a Igreja seja católica quer dizer que ela possui a plenitude da fé cristã. Dizer no entanto, que os ortodoxos e Roma constituem dois pulmões da mesma Igreja é negar que, ou separadamente a Igreja é católica em qualquer sentido do termo. Isto não só é contrário aos ensinamentos da ortodoxia, é terminantemente contrário para o ensino da Igreja Católica Romana, que se considera verdadeiramente católica ." 
[Carlton, C., (1999), "A Verdade: O que cada católico deve saber sobre a Igreja Ortodoxa", (Regina Ortodoxa Press; Salisbury, MA), p22. ]

A igreja é a imagem da Trindade e reflete a realidade da encarnação.
 [Lossky, V. (2002), A Teologia Mística da Igreja Oriental , (St Vladimirs Seminary Press; Crestwood, NY), p.176]

"O corpo de Cristo deve sempre ser igual a si mesmo... A igreja local que se manifesta no corpo de Cristo não pode ser incluída em qualquer organização ou coletividade maior que a torna maiscatólica e mais unida, pela simples razão de que o princípio da universalidade total  e de unidade total já é intrínseca a ela ".
[Sherrard, P., (1978) Igreja, Papado e Cisma:. Um Inquérito Teológico (Denise Harvey Publisher; Limni, Grécia), p15 ]

Quaisquer alterações à compreensão da Igreja iria refletir uma mudança na compreensão da Trindade.


Refutação Ortodoxa aos argumentos da Igreja Romana



É a posição do cristianismo ortodoxo que, os argumentos do catolicismo romano tem contado com provas dos pais da Igreja que foram ou mal interpretadas ou estão fora do contexto. Uma análise mais aprofundada desses suportes a que Roma apela, teria o efeito de não apoiar o seu argumento ou ter o efeito oposto, o de apoiar o contra-argumento aos argumentos romanos.

Trono Apostólico

Atanásio é usado como uma testemunha de primazia papal em inúmeros sites de apologética católica.

"Roma é chamado o trono Apostólica".

M. Whelton em "Papas e Patriarcas: Uma Perspectiva Ortodoxa em Reivindicações Católica Romana, (Concillar Press; Ben Lomond, CA), pp63-4 ano 2006" no entanto diz que Atanásio não usa o artigo definido ( o ) no texto.


"Assim, desde o início, eles não pouparam sequer a Libério, bispo de Roma, mas estenderam sua fúria até mesmo para aquelas partes, pois não respeitaram o seu bispado, sendo um trono apostólico..."
Roma é "UM " trono apostólico, não "O" trono apostólico. Agostinho também é citado erroneamente no mesmo ponto da gramática pelo Papa Leão XIII:

"E por um motivo, como Santo Agostinho atesta publicamente que, "a primazia da cadeira Apostólica sempre existiu na Igreja Romana" (Ep. XLIII., N. 7) "
 [ Satis Cognitum - Encíclica do Papa Leão XIII sobre a Unidade da Igreja Abridged das seções 10 a 15. ]

 Agostinho diz:

"... Porque ele viu-se unidos por cartas de ambos a comunhão com a Igreja Romana, em que a
supremacia de uma cadeira apostólica sempre floresceu".[Carta XLIII. Para Glorius, Eleusius, os dois Felixes, Grammaticus, e todos os outros a quem isso pode ser aceitável].

A carta 43 de Agostinho pode ser vista aqui: http://www.newadvent.org/fathers/1102043.htm

Lembrando que Agostinho cita "uma cadeira apostólica" e não "a cadeira apostólica". Sobre isso Whelton observa que para Agostinho não há uma Sé Apostólica, mas muitas ... 

"Você não pode negar que você vê o que chamamos de heresias e cismas, ou seja, muitosrompem com a raiz da sociedade cristã, que por meio das Apostólicas Sés, e as sucessões de bispos, se divulgou em uma indiscutível difusão mundial... "(  Carta 232.4

A carta 232 de Agostinho pode ser vista aqui: http://www.newadvent.org/fathers/1102232.htm



Inácio de Antioquia


Para Inácio cada igreja sob um bispo é completa - o sentido original de "católica". Para Inácio a igreja é uma unidade mundial de muitas comunidades. "Que reúne a comunidade local na celebração eucarística" Cada um tem em seu centro um bispo. Isso, então, é a unidade da Igreja - cada igreja unida a seu bispo cada uma dessas igrejas unidas umas às outras.

Não há nenhuma evidência de ele aceitar um único bispo de suprema autoridade sobre outros bispos e localizado em uma igreja em particular. [ Srawley, JH, (1910) As epístolas de St. Inácio, bispo de Antioquia , Volume 1, (Sociedade para a Promoção do Conhecimento cristã; Londres), p34 ]

C. Carlton resume a visão de Inácio sobre o papel do bispo na Igreja da seguinte forma:
"Assim como o Pai é o princípio da unidade no seio da Santíssima Trindade, de modo que o bispo
é o centro da unidade visível da Igreja na terra". [ Carlton, C., (1997) A Fé: Cristianismo Ortodoxo Entendimento, (Regina Ortodoxa Press; Salisbury, MA), P169. ]

Inácio define o que ele acredita que se consiste a igreja em uma epístola aos Tralianos:

"Da mesma forma, todos respeitem os diáconos como a Jesus Cristo, e também ao bispo, que é a imagem do Pai, e os presbíteros como à assembléia dos apóstolos. Sem eles, não se pode falar de Igreja."
Inácio, Epístola aos Tralianos . III
Inácio não faz  referência alguma de que exista algum outro nível acima do bispo, muito menos diz que a autoridade de algum bispo se deva a estar em comunhão com o bispo de Roma. Vejamos o ele nos diz:

"É manifesto, portanto, que devemos olhar para o bispo até mesmo como seria olhar para o próprio Senhor."
Inácio, Epístola aos Efésios - VI



"Aquele que honra o bispo foi honrado por Deus, aquele que faz qualquer coisa sem o conhecimento do bispo, faz [na realidade] servir o diabo."
 Inácio Epístola aos Cristãos de Esmirna - IX

"Como, pois, o Senhor não faz nada sem o Pai, pois Ele diz: "Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma ", assim também vós, nem presbítero, diácono, nem leigo, façam nada sem o bispo" Inácio, Epístola aos Magnésios -VII


"Porque vosso justamente reputado presbitério, sendo digno de Deus, está ajustado tão precisamente ao bispo como as cordas estão à harpa."
Inácio Epístola aos Efésios - Capítulo IV

"Permanecendo inseparáveis de Jesus Cristo Deus, do bispo e dos preceitos dos apóstolos. Aquele que está dentro do santuário é puro, mas aquele que está fora do santuário não é puro; ou seja, aquele que age sem o bispo, sem o presbítero e os diáconos, esse não tem consciência pura."
Inácio Epístola aos Tralianos -VII


Interessante é quando Inácio escreve a Policarpo, o bispo de Esmirna, afirmando que Deus é o próprio bispo de Policarpo, o que implica que não existe um intermediário entre o bispo local e Deus. A Policarpo, Inácio assim se refere: 

"Inácio, também chamado Teóforo, a Policarpo, bispo da Igreja de Esmirna, ou melhor, que tem por bispo Deus Pai e o Senhor Jesus Cristo, as melhores saudações."


Tudo isso nos revela que Inácio jamais teve conhecimento de alguma primazia do bispo romano já que para ele mesmo, apenas o bispo é a autoridade numa igreja, e acima dele, apenas Deus o Pai e nosso Senhor Jesus Cristo. João Crisóstomo mais tarde se refere a Inácio de Antioquia como um "professor equivalente a Pedro" em sua Homilias sobre S. Inácio - Elogios, como se vê abaixo:

"Mas desde que eu já mencionei Pedro, tenho percebido uma quinta coroa[para Inácio] tecida a partir dele, e isso é que este homem[Inácio] sucedeu ao ofício depois dele. Pois, assim como qualquer um que tomou uma grande pedra de uma fundação se apressa por todos os meios para introduzir uma equivalente, para que não abale todo o edifício e o torne mais doentio, então, nesse sentido, quando Pedro estava prestes a partir daqui, a graça do Espírito introduziu um outro professor equivalente a Pedro."

A citação de João Crisóstomo a Inácio o comparando a Pedro pode ser vista aqui: http://www.newadvent.org/fathers/1905.htm

Contudo Inácio em sua Epístola aos Romanos ainda é citado por apologistas católicos para sustentar um suposto primado ao bispo romano, em particular, a parte do seu discurso de abertura:

Inácio, também chamado Teóforo, à Igreja que recebeu a misericórdia, por meio da magnificência do Pai Altíssimo e de Jesus Cristo, seu Filho único; à Igreja amada e iluminada pela bondade daquele que quis todas as coisas que existem, segundo fé e amor dela por Jesus Cristo, nosso Deus; à Igreja que preside na região dos romanos, digna de Deus, digna de honra, digna de ser chamada feliz, digna de louvor, digna de sucesso, digna de pureza, que preside ao amor, que porta a lei de Cristo, que porta o nome do Pai; eu a saúdo em nome de Jesus Cristo, o Filho do Pai. Àqueles que física e espiritualmente estão unidos a todos os seus mandamentos, inabalavelmente repletos da graça de Deus, purificados de toda coloração estranha, eu lhes desejo alegria pura em Jesus Cristo, nosso Deus.
Só que tal apelo não é suficiente para sustentar uma primazia a Roma já que, não é claro quanto ao que, a área de ato de presidente ("preside no lugar da região dos romanos" e "preside o amor") se refere. O ato de presidir simplesmente se refere as igrejas na região dos romanos, ou seja, os da Itália. [Srawley, JH (1919), As Epístolas de Santo Inácio (A Companhia Macmillan; NY), p70 ]


O Tomo de Leão

Frequentemente citado como prova de Supremacia Papal, o Tomo de Leão é uma carta enviada pelo Papa Leão para o IV Concílio Ecumênico de Calcedônia, em 451. Em parte, parece sugerir que o bispo Leão I fala com a autoridade de Pedro. Contudo o Tomo simplesmente afirma a unidade da fé, não só do papa, mas dos outros bispos também.

Antes do Tomo de Leão ser apresentado ao Concílio, ele foi submetido a uma comissão chefiada pelo Patriarca Anatólio de Constantinopla para estudo. O comitê comparou o Tomo de Leão aos 12 Anátemas de São Cirilo de Alexandria contra Nestório e declarou o Tomo ortodoxo. Em seguida, o documento foi apresentado ao Conselho para aprovação. E assim foi dito:

"Após a leitura da epístola anterior( de Leão), os bispos mais reverendos exclamaram:" Esta é a fé dos pais, esta é a fé dos Apóstolos. Então, todos nós acreditamos, assim, os ortodoxos acreditam. Anátema, àquele que portanto não acreditar. Pedro falou assim, através de Leão. Assim ensinou os Apóstolos. Piamente e verdadeiramente se Leão ensinou, então ensinou Cirilo. Esta é a eterna memória de Cirilo. Leão e Cirilo ensinam a mesma coisa, um anátema para quem não o acreditar. Esta é a verdadeira fé. Aqueles de nós que são ortodoxos, assim cremos. " [ Extratos dos Atos. Sessão II. (Labbe e Cossart, Concilia, Tom. IV., Col. 368.)]
O que vemos daí é que não apenas o ensinamento de Leão é o ensinamento dos Apóstolos, mas também Cirilo ensinou como os apóstolos. Ambos ensinam como Pedro. A mesma linguagem foi usada em seguida após a leitura da carta de Cirilo no conselho:

"E quando essas cartas foram lidas, a maioria dos bispos reverendos gritou: Nós todos cremos; o Papa Leão crê assim. Anátema para aquele que divide e para aquele que confunde. Esta é a fé do Arcebispo Leão; Leão, assim acredita; Leão e Anatólio assim acreditam; todos nós, portanto, cremos. Como Cirilo assim acredita nós, todos nós acreditamos; Esta é a eterna memória de Cirilo; como as epístolas de Cirilo ensinaram, assim é a nossa mente, como tem sido a nossa fé, tal é a nossa fé. Este é o espírito do Arcebispo Leão, por isso ele crê do modo que ele tenha escrito."
 Extratos dos Atos Sessão II (Continuação) (L. e C., Conc, Tom IV, col. 343....... )
Notem que a linguagem do conselho é simplesmente para reforçar que todos acreditam na mesma coisa.  Além disso, no Terceiro Concílio Ecumênico, tanto Celestino bispo de Roma, quanto Cirilo foram comparados de igual modo, também com Paulo:

"E todos os reverendíssimos bispos, ao mesmo tempo gritaram: Este é um julgamento justo. Para
Celestino, um novo Paulo! a Cirilo um novo Paulo! Para Celestino o guardião da fé! Para Celestino de uma mente com o sínodo! Para Celestino todo o Sínodo oferece aos seus agradecimentos! Um Celestino! Um Cirilo! Uma fé do Sínodo! Uma fé do mundo! " 


João Crisóstomo

Outra testemunha usada para reivindicações da supremacia papal, é João Crisóstomo quando este enfrentou o exílio e apelou para o bispo de Roma em seu auxílio. Contudo quando ele estava a
ser exilado, ele apelou não só ao papa por ajuda, mas também para dois outros prelados ocidentais; Venério de Milão e Cromácio de Aquiléia . Apelou a todos os três, nos mesmos termos ao invés de somente ao bispo de roma sem vê-lo como alguma espécie de líder supremo. [Stephens, WRW, (2005) São João Crisóstomo: His Life and Times , (Elibron Classics), pp349-50 ]



Em 2007, o Papa Bento XVI também falou desta ocasião:

"Como bem conhecido e altamente estimado Cromácio foi na Igreja de seu tempo, podemos deduzir a partir de um episódio da vida de São João Crisóstomo. Quando o bispo de Constantinopla foi exilado de sua sede, escreveu três cartas a quem considerava os bispos mais importantes do Ocidente no intuito de obter o seu apoio com os imperadores: ele escreveu uma carta ao bispo de Roma, o segundo para o Bispo de Milão e do terceiro para o Bispo de Aquileia, precisamente, Cromácio ( Ep. CLV: PG LII, 702)."


Sobre isso o historiador JN D Kelly escreveu:

"Embora confinado ao seu palácio, João deu um passo de grande importância. Em alguma data
entre a Páscoa e o Pentecostes ... ele escreveu para o apoio ao papa, Inocêncio I, e, em termos
idênticos, aos dois outros patriarcas líderes no oeste, Venério de Milão e Cromácio de Aquiléia ...
Seu movimento, de modo algum implica que ele reconheceu a Santa Sé como o supremo tribunal
de recurso, na igreja ... Tal idéia, ausente de seus sermões e outros escritos, é regido por sua
abordagem simultânea aos dois outros patriarcas ocidentais ".
 [Kelly, JND, (1995) Boca de Ouro: A história de João Crisóstomo , (Cornell University Press), P246]


Contudo, mesmo o papa assumindo a causa de João Crisóstomo e convocando um sínodo ocidental para investigar o assunto e se mostrando favorável a ele e enviado delegados para Constantinopla em auxilio de Crisóstomo, ainda assim tais apelos do bispo romano foram ignorados e seus emissários enviados de volta depois de apenas três meses. [Paládio, (1985) Diálogo sobre a vida de João Crisóstomo (Newman Press; NY) p.24,29-30.] 

O apoio do bispo romano, evidentemente não era visto como coisa o suficiente para anular o exílio de João Crisóstomo. 

Também deve ser lembrado que João Crisóstomo apelou a Melécio (que não estava em comunhão com Roma). E após a morte deste, João Crisóstomo aceitou como seu bispo, Flaviano, outro que não estava em comunhão com Roma.[Sócrates Escolástico A História Eclesiástica Livro V.9]

 Portanto ele aceitou como uma autoridade os homens que não estavam em comunhão com Roma. Aliás, João Crisóstomo passou grande parte de sua vida não estando em comunhão com Roma.[Extrator, FW, (1893), Os santos primitivos ea Sé de Roma , (Longmans, Green & Co; NY), P266]


Mas ainda outros textos são usados para alegar que Crisóstomo apoiou o primado romano, como quando ele, por vezes, atribui a Pedro suposta primazia sobre os demais apóstolos:

E ao mesmo tempo para mostrar a ele que ele deve agora ter bom ânimo, pois a negação foi abolida, Jesus coloca em suas mãos a principal autoridade entre os irmãos;".
 [Homilias sobre o Evangelho de João , Homilia 88,1-2 ]

Isto parece indicar que Crisóstomo ensinou que Pedro era o governante supremo sobre os irmãos. Ele passa a se referir a Pedro como o professor do mundo nesta mesma Homilia sobre o Evangelho de João: 

"Como então Tiago recebeu a cadeira em Jerusalém? Gostaria de fazer esta resposta, que Pedro foi nomeado professor, não da cadeira, mas do mundo."

No entanto, de acordo com Abbé Guettée, em outras ocasiões João Crisóstomo atribui os mesmos títulos para os outros apóstolos. [Abbé Guettée (1866). O Papado: sua origem histórica e relações primitivas com as Igrejas Orientais , (Minos Publishing Co, NY), p156ff. ]:

"O Deus misericordioso está acostumado a dar esta honra aos seus servos, que pela sua graça, outros podem adquirir a salvação, como foi com Paulo, o professor do mundo, que emitiu os raios de seu ensino em todos os lugares."
[Homilia 24 sobre Genesis]

E. Denny também observa que João Crisóstomo continua a se referir a Paulo como em pé de igualdade com Pedro em sua Homilia sobre a Epístola aos Romanos[ Denny, E., (1912) papalismo: Um Tratado sobre os Créditos sobre o papado, conforme estabelecido no Cognitum Encíclica Satis , (Rivingtons; Londres), pp84ff] :

Além disso, a Enciclopédia Católica oferece esta franca admissão acerca dos escritos de João Crisóstomo:
"... Que não há clara e qualquer passagem direta em favor do primado do papa". 
Chrysostom as dogmatic theologian: http://www.newadvent.org/cathen/08452b.htm ]



Continua..... em Refutando a Supremacia Papal, Parte II.
(clique aqui)







Nenhum comentário

Seja respeitoso e saiba que não aprovamos comentários de anônimos caso se trate de conteúdo inapropriado ao artigo, como ataques, deboches ou críticas irrelevantes e sem nada a acrescentar. Não publicaremos comentários que não tenham a ver com o tema do artigo. Se quiser fazer uma crítica ou sugestão, utilize a página de Contato.

- Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados então:

* É de sua inteira responsabilidade o que será escrito aqui.

* Não use o caps lock a menos que queira enfatizar alguma palavra. Textos em caps lock serão excluídos!

* Escreva sem xingamento, respeite o seu próximo. Comentários depreciativos e ofensivos serão deletados. Assim como os que fugirem ao escopo do artigo.

- Caso deseje contraditar algum de nossos artigos, certifique-se de o ter lido completamente e verifique se a sua objeção já não está respondida em outra postagem nesta página. Utilize a barra de pesquisa e o painel de temas.

- Comentários tumultuosos e que apenas repetem objeções já abordadas no artigo, serão ou deletados ou receberão uma dura resposta por sua desatenção.

Tecnologia do Blogger.