Header Ads

Resistência Apologética

Compreendendo o desenvolvimento canônico do Novo Testamento


canon do Novo Testamento

Como e quando a igreja primitiva reconheceu os 27 livros em nosso Novo Testamento sempre foi um tema fascinante. Há uma curiosidade inata dentro de nós sobre o por que desses livros serem considerados como Escritura e outros não. Infelizmente, o alto nível de interesse no cânon do Novo Testamento é muitas vezes misturado com um elevado número de equívocos sobre o cânon.

A internet está repleta de mitos, erros e mal-entendidos sobre a forma de como todo o processo de formação do cânon realmente aconteceu. Embora não exista uma solução rápida para tais equívocos, há no entanto uma chave essencial que realmente nos ajuda a evitar especulações. E essa chave é a compreensão das diferentes categorias de livros no início do cristianismo.

Os cristãos primitivos dividiram os livros em quatro categorias. E a compreensão dessas categorias vai esclarecer um bom número dos equívocos sobre a forma de como o Canon se desenvolveu. Tais categorias estão sugeridas e estabelecidas pela bem conhecida obra do quarto século, do historiador Eusébio de Cesareia em História Eclesiástica, no livro 3, capítulo 25.1-7:

XXV
[Das divinas Escrituras reconhecidas e das que não o são]1.Chegando aqui, é hora de recapitular os escritos do Novo Testamento já mencionados. Em primeiro lugar temos que colocar a tétrade santa dos Evangelhos, aos quais segue-se o escrito dos Atos dos Apóstolos.
2.Depois deste há que se colocar a lista das Cartas de Paulo. Depois deve-se dar por certa a chamada Primeira de João, assim como a de Pedro. Depois destas, se está bem, pode-se colocar o Apocalipse de João, sobre o qual exporemos oportunamente o que dele se pensa.
3.Estes são os ditos admitidos. Dos livros discutidos, por outro lado, mas que são conhecidos da grande maioria, temos a Carta dita de Tiago, a de Judas e a segunda de Pedro, assim como as que se diz serem segunda e terceira de João, sejam do próprio evangelista, seja de outro com o mesmo nome.
4.Entre os espúrios sejam listados: o escrito dos Atos de Paulo, o chamado Pastor e o Apocalipse de Pedro, e além destes, a que se diz Carta de Barnabé e a obra chamada Ensinamento dos Apóstolos, e ainda, como já disse, talvez, o Apocalipse de João: alguns, como disse, rechaçam-no, enquanto outros o contam entre os livros admitidos.
5.Alguns ainda catalogam entre estes inclusive o Evangelho dos hebreus, no qual são muito contemplados os hebreus que aceitaram Cristo. Todos estes são livros discutidos.
6.Mas creio ser necessário que exista um catálogo destes também, distinguindo os escritos que, segundo a tradição da Igreja, são verdadeiros, genuínos e admitidos, daqueles que diferentes destes por não serem testamentários, mas discutidos, ainda assim são conhecidos pela grande maioria dos autores eclesiásticos, de modo que possamos conhecer estes livros e os que com o nome dos apóstolos foram divulgados pelos hereges, alegando que se tratem seja dos Evangelhos de Pedro, de Tomás, de Matias ou mesmo de algum outro, ou ainda dos Atos de André, de João e de outros apóstolos. Jamais um só dentre os escritores ortodoxos julgou digno mencionar estes livros em seus escritos.
7. Mas ocorre que a própria índole do fraseado difere enormemente do estilo dos apóstolos, o pensamento e a intenção do que neles está contido destoa ainda mais da verdadeira ortodoxia: claramente demonstram ser invenções de hereges. Por isso não devem ser incluídos nem mesmo entre os espúrios, mas devemos rechaçá-los como inteiramente absurdos e ímpios. Continuemos agora nosso relato.

 Eusébio nos apresenta 4 categorias de livros que circulavam na cristandade até o seu tempo.
  • 1. Livros Reconhecidos ou Admitidos. 
Para Eusébio, estes são os livros universalmente reconhecidos já há muito tempo como canônicos. Estes incluem: os quatro Evangelhos, os Atos dos Apóstolos, as epístolas de Paulo (incluindo Hebreus), I João, I Pedro, e Apocalipse (embora ele reconheça que este último tenha alguns detratores). Dito de outra forma, Eusébio reconhece que já havia um "núcleo" canônico (22 dos 27 livros) no cristianismo, já bem aceito, antes do século IV.

O que isso ainda nos indica? 
Alguns estudiosos continuam a afirmar que não havia cânon até o quarto ou quinto século. Mas a existência deste "núcleo" de livros reconhecidos mostra o quão mentirosa e ignorante é tal alegação. Estes livros tinham sido estabelecidos há gerações e nunca houve qualquer controvérsia significativa sobre eles.

  • 2. Livros Disputados ou Discutidos . 
Estes são livros que levantaram alguma discordância eclesiástica, mas ainda assim, são considerados como canônicos porque eles "são, no entanto conhecidos da grande maioria" (3.25.3). Não surpreendentemente, estes incluem os menores livros: Tiago, Judas, II Pedro, II e III João. A combinação destes livros reconhecidos e os livros em disputa, juntos, formam o nosso cânon atual de 27 livros.

O que isso ainda nos indica?
A categoria dos livros em disputa nos lembra que os limites do cânon ainda estava "impreciso" nos primeiros séculos do cristianismo e que demorou um pouco para que a igreja tivesse um consenso total em torno destes livros. O cânon não foi descartado do céu em tábuas de ouro, mas desenvolvido através dos processos normais de história para se chegar ao reconhecimento do mesmo. E tais processos nem sempre são claros e organizados.
  • 3. Livros Rejeitados ou Espúrios.
Quando Eusébio usa o termo "espúrio", ele não se refere que estes livros sejam heréticos, ele simplesmente indica que esses livros são rejeitados em termos de ter status canônico. Assim, estes livros são considerados essenciais (geralmente) ortodoxos, úteis e práticos, mas não tinham a autoridade de Escrituras. Tratam-se de livros como o Pastor de Hermas, o Didaquê, o Evangelho dos Hebreus, e a Epístola de Barnabé.

O que isso ainda nos indica? 
Algumas pessoas cometem o equívoco de pensar que devido a existência de um cânon, então isso significaria que a igreja nunca deveria usar quaisquer outros livros fora do cânon. Mas os primeiros cristãos não partilham esta opinião. Eles não viram problemas em fazer uso de livros como o Evangelho dos hebreus e, ao mesmo tempo, afirmar que apenas os quatro evangelhos são canônicos.

Clemente de Alexandria é um exemplo perfeito deste padrão. Ele apelou para todos os tipos de escritos, incluindo evangelhos apócrifos, mas, foi bastante claro em demonstrar que ele só recebeu Mateus, Marcos, Lucas e João como Escritura.

  • 4. Livros heréticos. 
Estes são livros teologicamente problemáticos, falsos e que têm pouco ou nenhum valor para a igreja. São "falsificações" que Eusébio considera como "inteiramente absurdos e ímpios" (3.25.7). Estes incluem livros como o Evangelho de Tomé, o Evangelho de Pedro, o Evangelho de Matias, os Atos de André , e os Atos de João.

O que isso ainda nos indica? 
Alguns estudiosos têm argumentado que livros como o Evangelho de Tomé foram tão populares como os evangelhos canônicos e que quase entraram no cânon NT. Outros ignorantes chegam a afirmar que existiam centenas de livros a serem aceitos. Mas, observe que Eusébio não concorda. Ele não coloca estes escritos na categoria de "disputados", e nem mesmo na categoria de "rejeitados", mas na categoria de heréticos. Para Eusébio, tais livros não são, e nunca foram, candidatos ao cânon.

  • Conclusão
Em suma, a compreensão destas quatro categorias é um passo essencial na remoção de equívocos e ignorâncias sobre o cânon do NT. Pode-se ter uma compreensão sobre o desenvolvimento do cânon por meio dessas categorias e entender corretamente que:

(1) Já havia um núcleo canônico de 22 livros muito antes do século IV.
(2) Houve controvérsia apenas para alguns dos livros menores. 
(3) Os cristãos continuaram a ter alguns livros não-canônicos como ortodoxos e úteis, embora não como Escritura, e 
(4) Alguns livros eram tão teologicamente absurdos e fora dos padrões que eles foram considerados como totalmente heréticos e sequer chegaram a ser citados como tendo qualquer pretensão a um cânon.


Referência bibliográfica:
1- História Eclesiástica - EUSÉBIO DE CESAREIA (entre em nosso grupo e baixe o livro gratuitamente)
2 - Canon Revisited (Crossway, 2012) - MICHAEL J. KRUGER




Texto traduzido e elaborado por Elisson Freire




10 comentários:

  1. KKKKKK! Um protestante se socorrendo de um historiador da Igreja Católica e sorrateiramente destorcendo seu escritos??? Não acredito.
    Por que será que esse protestante não explica que a tal "igreja primitiva", que cita tanto, é a atual Igreja Católica, como faz Eusébio quando dá a relação dos sucessores dessa Igreja desde Pedro??? Vejamos só um pouco do que diz Eusébio e foi omitido pelo bonitão protestante: Eusébio já havia dado a lista e atividades dos bispos de Roma até seu tempo. Sua lista começa em Pedro e termina em Marcelino em 304 d.C que era seu contemporâneo. Abaixo estão todas as referências à lista dos primeiros bispos de Roma deixadas por Eusébio em suas obras:



    1º Pedro

    “Pedro, de nacionalidade Galileia, o primeiro pontífice dos cristãos, tendo inicialmente fundado a Igreja de Antioquia, se dirige a Roma, onde, pregando o Evangelho, continua vinte e cinco anos Bispo da mesma cidade.” (Crônicas de Eusébio Página 261 parágrafo 2)[1]

    "Imediatamente depois, ainda no começo do império de Cláudio, a Providência universal, boníssima e cheia de amor aos homens, conduziu pela mão a Roma, qual adversário deste destruidor da vida, o valoroso e grande apóstolo Pedro, o primeiro dentre todos pela virtude. autêntico general de Deus, munido de armas divinas (Ef 6,14-17; 1Ts 5,8), trazia do Oriente ao Ocidente a preciosa mercadoria da luz inteligível, e anunciava, como a própria luz (cf. Jo 1,9) e palavra de salvação para as almas, a boa nova do reino dos céus." (Livro II, Capitulo 14 Versículo 6)

    “Segundo se conta, sob Cláudio, Fílon em Roma relacionou-se com Pedro, que então pregava aos seus habitantes. Isto é verossímil, visto que o escrito a que nos referimos, exarado por ele muito mais tarde, encerra evidentemente normas da Igreja, agora ainda observadas entre nós.” (História Eclesiástica Livro II, Capítulo 17, Versículo 17(1))

    “Diz-se que o apóstolo conheceu o fato por uma revelação do Espírito. Alegrou-se com o desejo deles e aprovou o livro por meio de leitura nas assembleias. Clemente, no sexto livro das Hypotyposes conta essa história e a confirma com seu testemunho o bispo de Hierápolis, chamado Papias. Pedro menciona marcos na sua primeira carta que, diz-se, ele mesmo compôs em Roma, assinalando-a com o nome simbólico de Babilônia, no seguinte trecho: “A que está em Babilônia, eleita como vós, vos saúda, como também Marcos, o meu filho” (1Pd 5,13).” (História Eclesiástica – Livro II, Capítulo 15, Versículo 2)

    2º Lino

    “mas Lino, que ele menciona na Segunda Epístola a Timóteo 2 Timóteo 4:21 como seu companheiro em Roma, foi o SUCESSOR DE PEDRO no episcopado da Igreja ali, como já foi demonstrado. Clemente, que em Roma, foi nomeado terceiro bispo da igreja, era, como Paulo testifica, seu co-trabalhador e companheiro de lutas.” (História Eclesiástica: Livro III, capítulo 4 Versículo 8 )

    “Depois do martírio de Paulo e de Pedro, o primeiro a ser eleito para o episcopado da Igreja de Roma foi Lino. Ele é mencionado por Paulo quando escreve de Roma a Timóteo, na despedida ao final da carta.” (História Eclesiástica: Livro III, capítulo II, verso 1)

    3º - Anacleto

    “Depois de imperar Vespasiano durante dez anos, sucede-o como imperador seu filho Tito. No segundo ano de seu reinado, Lino, bispo da igreja de Roma, depois de exercer o cargo durante doze anos, transmite-o a Anacleto. Tito, que imperou dois anos e uns poucos meses, foi sucedido por seu irmão Domiciano.” (História Eclesiástica: Livro III, capítulo 13)
    Como dito, a lista completa segue até o bispo de Roma contemporâneo de Eusébio em sua obra usada pelo protestante. Essa lista detona outras mentiras constantes em outros artigos caluniosos desse mesmo protestante enganador.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou responder aqui porque sei de sua surdez estratégica e ignorância seletiva:
      1- Seu blog tem o Widget de comentários totalmente desativado, onde o mesmo tem receio de ser desmascarado, então, como vem aqui exigir que se publique os seus comentários non sense??

      2- Seu comentário falacioso aqui não será publicado caso venha a descumprir as regras estabelecidas na box de comentários, que o embusteiro ignorou.

      3- O comentário enviado pelo Fernando, alega que distorcemos o nobre Eusébio de Cesareia, bom, já que postamos o texto, a referência e a fonte onde podem baixar o livro, o ônus da prova cabe ao Fim da Farsa, onde deve provar tal alegação e lhe poupar a própria vergonha.

      4-O nobre Eusébio ser historiador da Igreja Católica não significa ser o mesmo que exclusivamente da igreja de Roma. A igreja de seu tempo no século 3 e 4 jamais teve os moldes anacronistas que os romanistas pinta hoje. Sua igreja romana hoje, está longe de ser a mesma igreja primitiva da época de Eusébio.

      5- Eusébio diz que o primeiro bispo de Roma foi Lino, e não Pedro, e chama de papa, outro bispo que não o de Roma. Vá se informar. Sua alegação em nada tem a ver com o artigo acima.

      6- As Crônicas de Eusébio a quem o Fim da Farsa recorre, na verdade não é de Eusébio, kkkkkk e sim de Jerônimo, feita tardiamente e tal citação é duvidosa uma vez que não se encontra em outras cópias mais antigas e sim na versão latina. (será porque??) Ora, uma interpolação bem descarada fizeram ao texto de Jerônimo.

      7- Seu texto distorcido extraído de Livro II, Capitulo 14 Versículo 6, é de rir. Nele Eusébio mostraria apenas a ida de Pedro a Roma. Mas ignora que Paulo lá já tinha ido e não o menciona. E que o evangelho por lá já circulava muito antes de ambos. kkkkkk

      8- Sobre a informação de que Pedro teria ido a Roma no começo do reinado de Cláudio, temos que duvidar. Herodes é morto (At.12:23), sendo tal fato narrado por Flávio Josefo como tendo ocorrido no quarto ano do reinado do imperador romano Cláudio. Sabemos historicamente que este imperador romano começou a reinar em 41 d.C. Sendo que a morte de Herodes (que ocorreu na sequencia da libertação milagrosa de Pedro, em Jerusalém) ocorreu no quarto ano deste imperador, então se deu em 45 d.C. Logo, em 45 d.C Pedro permanecia em Jerusalém, e não em Roma. (pode chorar Fernando).

      Dito isso, e poderia dizer mais, dou por refutada essa pérola católica tosca que vem responder sobre Pedro e Roma em artigo onde se fala sobre cânon bíblico. Ou seja, o coitado do Fernando Nascimento, que comenta acima sob o fake de seu blog embusteiro "fimdafarsa", não tem credibilidade e competência para refutar nada, então vem aqui passar vergonha, mente, fala que distorci o texto, mas não mostra onde, se revela anacrônico e ainda rebate em espantalho ao mudar de assunto...

      se vc tivesse um pouco de vergonha, nem aqui ousaria comentar devido a tanta humilhação que sofre.

      Excluir
  2. Será que o Resistência Molhada vai postar meu comentário ou omiti-lo depois de eu ter printado meus comentário postado nele antes de ser excluído?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Creio que o indigesto leu o nome Eusébio e pronto, partiu a buscar textos sobre primado petrino como se algo tivesse a ver com o tema aqui sobre o desenvolvimento do cânon. O que é de rir ainda é que o traste vem aqui debochar mas comenta algo totalmente irrelevante ao tema da postagem, e ainda se revela pouco conhecedor do tema que muda de assunto. É um paspalho .. não é a toa que é conhecido como o fracasso da apologética católica:
      https://resistenciaapologetica.blogspot.com.br/2016/01/fernando-nascimento-e-o-fracasso-da-apologetica-catolica-brasileira.html

      Excluir
  3. Aviso ao blog "Fim da Farsa" do Fernando Nascimento:

    1- Seu blog tem o Widget de comentários totalmente desativado, onde o mesmo tem receio de ser desmascarado, então, como vem aqui exigir que se publique os seus comentários non sense??

    2- Seu comentário falacioso aqui não será publicado caso venha a descumprir as regras estabelecidas na box de comentários, que o embusteiro ignorou.

    3- O comentário enviado pelo Fernando, alega que distorcemos o nobre Eusébio de Cesareia, bom, já que postamos o texto, a referência e a fonte onde podem baixar o livro, o ônus da prova cabe ao Fim da Farsa, onde deve provar tal alegação e lhe poupar a própria vergonha.

    4-O nobre Eusébio ser historiador da Igreja Católica não significa ser o mesmo que exclusivamente da igreja de Roma. A igreja de seu tempo no século 3 e 4 jamais teve os moldes anacronistas que os romanistas pinta hoje. Sua igreja romana hoje, está longe de ser a mesma igreja primitiva da época de Eusébio.

    5- Eusébio diz que o primeiro bispo de Roma foi Lino, e não Pedro, e chama de papa, outro bispo que não o de Roma. Vá se informar. Sua alegação em nada tem a ver com o artigo acima.

    6- As Crônicas de Eusébio a quem o Fim da Farsa recorre, na verdade não é de Eusébio, kkkkkk e sim de Jerônimo, feita tardiamente e tal citação é duvidosa uma vez que não se encontra em outras cópias mais antigas e sim na versão latina. (será porque??) Ora, uma interpolação bem descarada fizeram ao texto de Jerônimo.

    7- Seu texto distorcido extraído de Livro II, Capitulo 14 Versículo 6, é de rir. Nele Eusébio mostraria apenas a ida de Pedro a Roma. Mas ignora que Paulo lá já tinha ido e não o menciona. E que o evangelho por lá já circulava muito antes de ambos. kkkkkk

    8- Sobre a informação de que Pedro teria ido a Roma no começo do reinado de Cláudio, temos que duvidar. Herodes é morto (At.12:23), sendo tal fato narrado por Flávio Josefo como tendo ocorrido no quarto ano do reinado do imperador romano Cláudio. Sabemos historicamente que este imperador romano começou a reinar em 41 d.C. Sendo que a morte de Herodes (que ocorreu na sequencia da libertação milagrosa de Pedro, em Jerusalém) ocorreu no quarto ano deste imperador, então se deu em 45 d.C. Logo, em 45 d.C Pedro permanecia em Jerusalém, e não em Roma. (pode chorar Fernando).

    Dito isso, e poderia dizer mais, dou por refutada essa pérola católica tosca que vem responder sobre Pedro e Roma em artigo onde se fala sobre cânon bíblico. Ou seja, o coitado do Fernando Nascimento, que comenta acima sob o fake de seu blog embusteiro "fimdafarsa", não tem credibilidade e competência para refutar nada, então vem aqui passar vergonha, mente, fala que distorci o texto, mas não mostra onde, se revela anacrônico e ainda rebate em espantalho ao mudar de assunto...

    ResponderExcluir
  4. Creio que o indigesto leu o nome Eusébio e pronto, partiu a buscar textos sobre primado petrino como se algo tivesse a ver com o tema aqui sobre o desenvolvimento do cânon. O que é de rir ainda é que o traste vem aqui debochar mas comenta algo totalmente irrelevante ao tema da postagem, e ainda se revela pouco conhecedor do tema que muda de assunto. É um paspalho .. não é a toa que é conhecido como o fracasso da apologética católica:
    https://resistenciaapologetica.blogspot.com.br/2016/01/fernando-nascimento-e-o-fracasso-da-apologetica-catolica-brasileira.html

    ResponderExcluir
  5. Seu trouxa, o que tem a ver DESENVOLVIMENTO CANÔNICO com PEDRO EM ROMA?

    Por um acaso você sofre de analfabetismo funcional católico?

    E só pra constar, historicamente, Eusébio não é nada confiável quando se trata de colocar Pedro em Roma...

    Agora faça um favor, PARE DE POSTAR ASNEIRAS E ESPANTALHOS E TRAGA ARGUMENTOS, senão fecha a matraca.

    ResponderExcluir
  6. Quem cita o cânon do NT pela primeira vez completo com os 27 livros foi Santo Atanásio no ano de 367 dC em sua epístola 39:5.

    ResponderExcluir
  7. Esses caras não cansam de tomar humilhada atrás de humilhada? É sempre o mesmo papinho, sem argumentos e repetindo as coisas ridiculamente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São surdos estratégicos, na falta de argumentos em uma tréplica relevante, tonam com os mesmos balburdios já respondidos. A apologética católica nos moldes desses caras como o Fernando Nascimento, se resume a puro ad nauseam virulento!

      Excluir

Seja respeitoso e saiba que não aprovamos comentários de anônimos caso se trate de conteúdo inapropriado ao artigo, como ataques, deboches ou críticas irrelevantes e sem nada a acrescentar. Não publicaremos comentários que não tenham a ver com o tema do artigo. Se quiser fazer uma crítica ou sugestão, utilize a página de Contato.

- Obs.: Todos os comentários são moderados antes de serem publicados então:

* É de sua inteira responsabilidade o que será escrito aqui.

* Não use o caps lock a menos que queira enfatizar alguma palavra. Textos em caps lock serão excluídos!

* Escreva sem xingamento, respeite o seu próximo. Comentários depreciativos e ofensivos serão deletados. Assim como os que fugirem ao escopo do artigo.

- Caso deseje contraditar algum de nossos artigos, certifique-se de o ter lido completamente e verifique se a sua objeção já não está respondida em outra postagem nesta página. Utilize a barra de pesquisa e o painel de temas.

- Comentários tumultuosos e que apenas repetem objeções já abordadas no artigo, serão ou deletados ou receberão uma dura resposta por sua desatenção.

Tecnologia do Blogger.